29 novembro 2010

As Estatisticas

video





Todos os dias somos bombardeados com estatísticas por todos os lados sob a capa de ser uma ciência exacta. Algumas não tem grande relevância, ou pelo menos não nos afectam tão directamente,  como por exemplo, “quantas vezes X grupo de indivíduos vão a casa de banho”, ou estudos feitos para definir quais os tamanhos standarts para os soutiens, que no caso de Portugal nem sequer são produzidos com base em amostragem nacional...

Mas há sempre um dia em que tendemos a olhar para estas nossas “amigas”  com um olhar ansioso de quem procura uma resposta, especialmente quando se trata da nossa saúde ou de alguém muito, muito querido, como é o caso de um Parto.

Números e mais números, na verdade números aos molhos são deitados para cima dos Pais como se fossem flores! Mais uma e outra e ainda outra estatística acerca de tudo o que se possa imaginar, sobre o parto hospitalar, sobre a sobrevivência  materno infantil, sobre a segurança que é dado para parafernália hospitalar, sobre o parto domiciliar e os seus inconvenientes e sei lá mais quantos outros milhentos temas relacionados a esta área.

Os pais procuram avidamente precaver-se de qual tipo de infortúnio para que o seu rebento possa vir ao mundo em sã alegria, passam horas a tentar auto convencer-se que isto sim é o melhor que podem fazer, mas existe sempre uma pequena duvida....

Quem disse que a primeira etapa da parentalidade é fácil? Tantas coisas para saber pela primeira vez, tantas informações para filtrar, tanta coisa nova, e a única coisa que os Pais querem para si e para os seus filhos é manterem-se a salvo de todo o perigo.

As estatísticas são simplesmente feitas por homens que erram como todos nós, é preciso ter em conta que o seu  universo é apenas uma amostra da realidade, ou seja é parcelar, mais, muitas vezes induzem as pessoas em erro deliberadamente, lembram-se da vaga de pânico da gripe A? Mais ainda recordam-se de como crianças, idosos e grávidas tinham que ver vacinados impreterivelmente por causa do surto?

A Verdade é única e indivisível  as estatísticas são a arma manipulativa dos poderes instituídos, como farmacêuticas e forças hospitalares, mais do que informar querem manipular, mais ainda controlar as mentes de cada um de nós através da mentira, da divisão e finalmente do medo, até conseguimos vislumbrar aqui um circuito.

Os Pais preocupados com a segurança, apoiados nestes estudos perdem o essencial o seu Poder Criativo, o Amor que se gera desde o momento da Concepção do Novo Ser. Perdem tempo a debruçar-se sobre isto em vez Apreciarem a Magnifica Viagem da Gestação, em vez de se entregarem doce e calmamente a Transmutação Metafísica do Ser, Estar, Agora, Aqui, em vez de sentirem que a Cosmogonia conspira a seu favor soprando risonhamente Luz do Universo...

Devemos conectarmo-nos com o nosso Ser mais intímo, para que ele nos dê as respostas que esperamos obter externamente, e não, não falo no sentido figurado, conectarmo-nos mais profundamente com o Deus interno, CRIADOR, absorvermos a energia CÓSMICA que abunda, almejarmos a pureza, obtermos a liberdade. Comunicarmos com o Bebé em Plenitude Harmoniosa para que ele saiba que o aguardamos disponíveis, presentes, sinceros e Preparados para lá de estatísticas, em Sintonia Natural, de Pai, de Mãe para Filho.

Esta é a verdadeira estatística, a da Comunhão em Amor Harmónico, a Sinfonia do Agora.

Acreditem no que acreditarem, confiem em vós pois só isso vos dará a certeza do que fazer, e como fazer, se quiserem  ter o bebé em casa tenham, é perfeitamente seguro desde que confiem em vós, se pelo contrario necessitam a segurança das máquinas e dos médicos, vão para o hospital, porém informem-se do que vos vão fazer!

Podem fazer o que quiserem desde que o façam com Confiança, Consciência e com todo o Amor!

As estatísticas podem utiliza-las para forram o ninho para ficar mais quentinho para a chegada do pimpolho.

26 novembro 2010

O Pais, esses gigantes sabedores!









Os Pais esses gigantes todos soberanos que supostamente detêm em si todo o conhecimento do que é melhor ou não para os seus filhos. Eles decidem! Eles fazem! Eles mandam!

Errado! Os pais são simplesmente companheiros de Viagem dos novos Seres cá nesta terra, cuidam, dão Limites, Amam muito e muito, mas todavia não mandam, muito pelo contrário obedecem ao movimento Sincrónico, Diacrónico e Harmónico das vontades conjugadas da Fonte!

Estranho, não?

Este Pai, esta Mãe foram escolhidos antes de saberem que o seriam, conjunções astrais, vontades sincrónicas, HARMONIA DIVINA urdiram todo o cénico e o novo Ser cheio de Amor, Esperança, cheio de Amanhã veio ao Mundo!

O milagre repete-se vezes sem conta em milhões de sítios em todo o mundo, dos mais ricos, aos mais recondidos, sempre entre olhos vigilantes e grandes, rasgados sorrisos de alegria.

Outro milagre ocorre, “Agora já somos Pais!”, já o eram á muito, só agora sentem o peso da responsabilidade que é AMAR um Ser indefeso, pequeno, Nosso, e então vem a Sentença, “Temos que dar o melhor!”. Pergunta, o que será o melhor?

O melhor é; a melhor escola, a melhor casa, mais brinquedos, muitas actividades, pais cansados e ausentes que delegam funções a outrem porque não querem assumir o compromisso, porque não sabem como o fazer, porque julgam que dão o melhor de si. Ou será melhor pararmos... Pensarmossssss longamente, e realmente assumirmos  compromisso no Aqui e Agora, aproveitar cada minuto imperdível de Amor incondicional, de Devoção de conecção ao Universo através deste Ser que se limita simplesmente a SER!

Aprendermos com ele a SER!

Darmos-lhe o nosso tempo, o nosso Amor INCONDICIONAL, deixar que ele nos ensine sabiamente o caminho que quer trilhar levando-nos como seus companheiros.

A melhor escola é o Amor, a melhor casa a Aceitação, os mais requintados brinquedos a harmonia/sintonia com o Universo, o melhor professor o filho, a melhor condição de todas ser Pai e poder acompanhar este maravilhoso processo de lagarta a borboleta.

Queiramos o melhor para os nosso filhos, mas não o nosso melhor, mas o que eles escolherem para eles, longe das formatações e denominações intrincadas da sociedade que castra, tolda, obscurece-se  esta  experiência Maravilhosa.

Aprendamos humildemente a receber bolinhos de mãozinhas pequeninas, colinhos matreiros, e risos cintilantes sem medo de perde o respeito ou autoridade, mas sim almejando a verdadeira e recíproca admiração.

Já dizia Newton, “Só consegui ver mais longe porque me pus as costas de Gigantes”.

O melhor é sintonizarmo-nos com as nossas Crias, conhecermo-las como ninguém, ajudarmos a adquirir ferramentas para o futuro, Dignidade, Compreensão, Cosmovidencia, Respeito da Divindade que há em cada um de nós, o melhor ensino é de facto o nosso exemplo, fazermos da nossa casa o ninho da Paz, e centramento, para que estes ensinamentos puros, naturais, primais se disseminem pelo mundo fora. 

Acalentarmos sonhos de Amor para os nossos filhos é construir o Mundo bom, sadio, nosso.

Que assim seja

Assim é

24 novembro 2010

A Mama, A Mulher







Dou MAMA Conscientemente, com Amor, com Prazer, Com Entrega, com Compromisso.
Dar de mamar é mais que um simples acto, é Amor, Nutrição da Alma, um acto Ancestral inato nas mulheres que desde sempre, até sempre o fizeram, e farão!

A Mãe dá, Aprendeeeeeeee, Cresssceeeee e FFFloresceeee para o Novo Ser que agora povoa o Mundo. Embala-o nos seus doces braços dando tudo de Si, embala enfim o Futuro no colo sem tempo de depois.

O bébé entrega-se ao Amor, veste-se de afeição, sonho e Verdade, Vislumbra pela mão da Mãe outra e outra coisa, tem em si o principio e o fim, o Alfa e o Omega.

Mulheres Ancestrais morreram com Alegre Sintonia com o Cosmos para preservar Conhecimentos para as suas Futuras Filhas da Terra, para que não se esfuma-se nos cantos das palavras o conhecimento sobre a Amamentação...

Isto não é lirismo, é Verdade sentida no Coração da Terra que é Mãe. Ainda hoje as Ancestrais ajudam-nos em Perfeito Amor Sintonico com o Universo!

Almas grandes que pensaram em Nós, viveram e morreram em nós, para que os nossos filhos pudessem Nascer em plenitude, para que eles vivam em Harmonia o Aleitamento do Seio Materno, para que tivessem não só Leite mas muito mais que isso. Para que tivessem Tempo, Amor, Compreensão, Aceitação.

Para que tenhamos um Mundo melhor, com Seres saudáveis no Corpo, na Mente.

Para que sejamos Mulheres Completas, Realizadas, Capazes.

Sinto-o em Mim esta Vibração acesa.

Sinto-as no meu Corpo de Mulher a Guiarem-nos o Caminho que nos conduz á LUZ de um amanhã brilhante e Pleno.

Todas as Mulheres podem Amamentar, independentemente do que digam, Todas as Mulheres em Si tem este conhecimento Primal, Primordial que nos foi transmitido.

O Caminho nem sempre é fácil para todas, não obstante a Grandiosidade deste momento supera qualquer possível pedra no Caminho, basta seguir o tum-tum do coração que bate quente sem descanso.

Amemo-nos, Partilhemos esse Amor, a Dádiva com estes seres que Amamos sem Medo, sem Fronteiras, sem Condições.

Sigamos com Eles o Caminho até Deus, pelo aprendizado, pela humildade, 
pelo Amor.

Contado Em Femea de FeMiNiNo


Nas palavras a mensagem, na Alma a satisfação da Mulher, da Mãe que deu.
A entrega, a Missão.
Mais um conto no Feminino de Amor




"Esta história podia começar desde o ínicio, que é (ou melhor foi…)  tão saboroso, tão único, mas vou contá-la a partir do dia que todas as grávidas pensam e certamente não esquecem, antes ou depois dele acontecer.

30 Agosto de 2010

O meu dia…

Levantei-me bem cedinho, para mais uma ida à casa-de-banho, o fatídico xixi que já se sabe fazer parte do processo. Mas desta vez tinha brinde, o famoso rolhão mucoso tal qual como a T., minha doula me tinha falado. Depressamente disse ao I., o pai e companheiro, do feito. Estava para breve, mas nunca pensando para tão breve .

Fiquei excitada e ligeiramente nervosinha, até porque nesse dia, tinha a temida consulta no hospital, a do toque. Alimentei esse medo durante tanto tempo e depois foi como o rebentar duma bola de sabão, suave e rápido.

Na espera para a consulta, uma moínha não me deixava ficar sentada por muito tempo e aí percebi que o meu bebé estava a dizer-me que se estava a preparar para nascer. Sabia-o como a certeza de que o Sol nasce todos os dias, mas guardei para mim esse feeling poderoso e gostoso.

A consulta acabou e seguiam-se uns planos a dois, com o pai, mas na curta viagem até casa percebi que já não estava em condições de andar na rua. Seguiu o pai I. com os planos e uns 40 minutos depois chegou a casa. Sentindo que algo se passava comigo, sugeriu num tom leve, mas inquieto, que fosse até à piscina para relaxar um bocadinho. Aceitei o convite e assim que entrei na água, dores misturadas com mil sensações diferentes e todas tão iguais, tomaram conta do meu corpo, da minha mente e do meu espírito. O meu trabalho de parto tinha realmente começado.

À volta, apenas existiam uns metros quadrados muito poucos de casa, um companheiro atarefado a arrumar o Lar que estava confuso e desarrumado e eu que não ficava quieta por muito tempo. Neste limbo que se passava no exterior, eu estava noutro plano qualquer, num sítio onde as horas não têm relógio e onde a base mental que guia, tinha desaparecido por completo. Estava completamente mergulhada naquele processo, às vezes doloroso, às vezes cansativo, às vezes algo que não tem palavras.
E ali estava eu, em plena cozinha, enfiada numa piscina com água quente a viver o tão esperado momento, apenas comigo, com o meu bebé e com o meu amado, fiel e paciente companheiro, que tão bem desempenhou a sua função minuto a minuto.

Não sabia que horas eram, quantos dedos de dilatação tinha e há quanto tempo estava a viver e a sentir aquele intenso processso, mas em menos de nada, estava a pedir ao Ivo, para ligar à T. para ela vir. Estava a chegar a altura e queria tê-la comigo. Precisava de sentir força feminina.

Ansiava pela sua chegada e na altura certa, ela apareceu. Por esta altura, já estava cansada e começava a desesperar por querer sair de todo o tormento fisíco, contorcia-me, gemia, estava em todos os lados, menos ali. Queria parir!

Poucas foram as palavras da T., as que mais queria ouvir foram.
“Então faz força!”

E uau, tão bom. Levantei-me da piscina, agarrei-me ao frigorífico e fiz a tão esperada e ao mesmo tempo temida força que faz nascer.

Duas ou três “forças” depois, as águas rebentaram. Um jacto explosivo saíu dentro de mim. Fiquei atónita e por momentos senti a vibração do exterior, que era expectante, silenciosa e entusiasmada ao mesmo tempo.

Seguiram-se momentos fortes, como pedir ajuda e apoio à minha fantástica equipa, tão familiar e tão discreta. A T. e a sua filha G. e o I..

Senti-me totalmente segura com o que tinha escolhido para aquele dia e sabia que o meu filho ia nascer naquela cozinha.

Mudei de posição várias vezes e quando o corpo descobriu a escolhida, o processo de descida começou. Primeiro um medo incrível do que vai acontecer com o corpo,  misturado com uma sensação de prazer inesquecível, de que estavamos a conseguir e de que passado pouco tempo ia ver pela primeira vez, o rosto do meu mágico bebé. Iamos nos conhecer do lado de cá .

Força, força e mais força, a sua frágil cabeça foi rasgando o meu corpo com o calor de todos os vulcões,a  vida estava a descer pelo meu Canal. Senti-me poderosa, leoa, ancestral e mais poderosa ainda. Cá fora eles diziam: “Faz força, estás a ir bem, continua. Já estamos a ver a cabeça e o cabelo do Noah”. Uau, pensei eu. Mais uns sopros de coragem e determinação e splash, o Noah nasceu. E nesse momento todos os momentos que vivi tão intensamente, diluiram-se, desaparecendo para um lugar longínquo.

Meia atordoada de tanta excitação, dei as mãos ao corpo do meu bebé e peguei pela primeira vez no mais macio, quente e saboroso corpinho. Encostei-o ao peito e uma sensação que tem todas as sensações existentes, tomou conta demim. O meu bebé estava cá fora, ao meu colo. Miava como um gatinho. 

Nasceu tranquilo, feliz e enroladinho.

Passaram-me muitossssssss momentos depois deste e num pulo, dois meses se passaram.

O nosso enroladinho preenche agora quase todos os momentos dos meus dias.

De dia para dia, estamos cada vez mais apaixonados por ele e ele vai-se desenrolando e abrindo para o Mundo, já fazendo as melhores graçinhas que o Mundo poderia ver .

Parir um filho é um momento isolado, único e que passa.

Ter um filho e amá-lo, entende-lo e cuidá-lo é para toda a Vida e esse é o GRANDE DESAFIO.
É A PARTIR DAQUI QUE A GRAVIDEZ, O PARTO E TUDO O QUE ENVOLVE O PROCESSO, REALMENTE ACONTECE E DESMISTIFICA-SE.

Parir um filho é a sabedoria mais antiga da Mãe Terra e nos mistérios da Vida, tudo está feito por forma a ser perfeito, belo e suave.
Agora o que tu escolheres e acreditares é que vai definir, o teu/vosso/nosso GRANDE DIA.
Que a Luz e os Deuses (todos J ) estejam convosco neste momento das vossas Vidas*
Agradeço com toda a minha entrega ao meu filho Noah, Ivo, Teresa e Gaia, por terem feito parte deste dia!

No tempo dos humanos, na Era dos Relógios, as contrações á séria começaram às 19h00, as àguas rebentaram às 04h00, às 05h11 o Milagre da Vida aconteceu, o Noah nasceu.

Confiem no vosso corpo, não pensem demasiado, não planeiem o desconhecido, entreguem-se sem querer saber o que quer que seja. Os bebés e as mães sabem fazer nascer. PONTO."

Conto no Masculino


Aqui deixo-vos um relato, um conto no Masculino...
Quem disse que os homens não gestam, não crescem, não parem com as Lobas?


"(...)Dia 31 de agosto de 2010, pelas 05:11 da manhã, nasceu o Noah. O parto realizou-se em casa, apenas a mãe, o pai, a nossa querida doula T. e a sua linda e especial filhota,  G. O parto correu bem, a D. começou a ter contracções logo a seguir a uma consulta no hospital, la pelas 17:00 da tarde. É impossivel descrever esta experiencia, temos de a viver para perceber o poder e o belo que é parir um filho. Todo o processo é um misto de dor, espectativa, força, criação, união e muito amor.

 A D. foi uma Guerreira impressionante, conheci uma D. que atravessou a barreira do forte, do nobre, percorreu um caminho de ascenção até um universso que nenhum homem algum dia ira perceber, ou sequer possa imaginar. Parir um filho é mais que criar um mero quadro, ou construir um predio com 500 andares, é mais do que ir á lua, ou conhecer todos os livros do mundo, parir é fazer parte da criação, é fazer parte do plano divino na integra, não há meios termos, nem meios caminhos percorridos, é total, é criar uma estrela no infinito, é fazer parte da historia da vida, é SER! Eu fiz o meu papel, estou super orgulhoso do que fiz e da experiencia que ajudei a criar, fiz o papel delicado de acompanhar a D. no que podia, fazia o que ela me pedia, dava-lhe o que precisava, por vezes um momento a sós, por vezes uma palavra de encorojamento, outra vez apenas um toque, um gesto, um olhar, fiz de Dj, criando a banda sonora ideal para cada momento, o Noah nasceu a ouvir a musica do nosso amado Nitin Sawhney.

A D. gritou como uma loba ao luar, rugiu como uma leoa selvagem, sentiu cada dor como uma melodia e criou a sua sinfonia de criação, no final uma obra prima aconteceu, um milagre, a materialização de um sonho sentido durante nove messes, o Noah nasceu sem stress, tranquilo como um budinha, pouco chorou, os seus sons eram melodias, parecia um gatinho a miar gentilmente, uma briza sossegada que passa, sente-se, ouve-se mas não pertuba, que ser de Luz, que Ser de tão bela perfeição. Noah, és Luz, és Amor, és um filho que vi nascer, que vi com olhos de espanto a sair para o mundo, estaras para todo sempre comigo. Agradeço a todos os Deuses que estiveram connosco ontem á noite, nessa noite que ficara para sempre escrita nos anais do tempo cosmico e infinito.

Obrigado D. por seres quem és, a melhor companheira que alguma vez conheci, a melhor amiga que alguma vez tive, a melhor mãe, que não tenho qualquer duvida que vais ser e uma Mulher forte capaz de alcançar o que quiser. Amo-te muito :) :)



BEM VINDO MEU QUERIDO NOAH A ESTA VIDA, QUE OS DEUSES SEMPRE TE ACOMPANHEM NA TUA VIAGEM, ASSIM COMO EU... (...)"

Procura do Cristo Interno


"(...) 9/9/05


Existe um esforço colectivo para a LUZ, uma fronteira que passa da fase experimental da vida para uma fase de maturidade, de compromisso responsável. Essa fronteira marca a transição de um ambiente onde os seres humanos se vão abastecer, regenerar, energizar, numa palavra, curar. Essa fronteira marca a diferença entre os grupos experimentais, embrionários, e os ambientes amadurecidos. Essa fronteira tem a ver com a transição do estado no qual as pessoas se aproximam dos pontos de atracção da Hierarquia, levando a sua situação, a sua crise, a sua luz. Não se pode amar ninguém sem se amar, compreender, envolver a sua crise também.



Nós não começamos o aprendizado do amor, da transcendência, de explosões de amor gratuito na mente cósmica superior para a existência. Aparentemente temos uma experiência oposta. Nós começamos esse aprendizado da existência para transcender e para começar a amar. Sempre se começa amando o outro na sua totalidade, naquilo que ele revela de pleno e naquilo que ele manifesta de incompleto. É na incompletude do outro que o nosso verdadeiro amor se revela. No entanto, esse estágio da vida do coração, que é o amor fraterno, marca a vibração dos ímans dos grupos numa primeira fase vibratória.

Quando nós nos dirigimos a um íman da irmandade cósmica, começamos por levar o nosso problema, o nosso processo, e como estes ímans que estão nos planos internos são uma expressão da Lei da Misericórdia, da Lei da Esperança, da Aceitação, da Compaixão, a tradição diz que: “ninguém que bate à porta deixará de ser aceite”. Isto marca uma boa parte da psicologia de grupo no início de um trabalho espiritual. Eu estou em desarmonia, existe um foco de harmonia relativa onde eu me posso dirigir, então eu vou e recebo um ajuste possível nos meus corpos, uma purificação mental, uma purificação do elemental astral. Eu recebo uma drenagem do foco da irritação urbana, uma anestesia em relação às dores aparentemente inamovíveis na minha vida pessoal, e isto tudo está bem mas marca a psicologia de uma fase inicial.


Há um momento em que um trabalho só pode avançar na sua capacidade de conter a vibração das iniciações que a humanidade procura sem saber. Avançar na qualidade de contentor de radiações centrais que vêm do coração e da mente divina e que precisam de canais vivos para chegar aos outros. E há um momento em que um grupo ou um ambiente necessita de passar por uma revolução energética na qual as pessoas começam a ser convidades a trazer a sua luz, não a sua agitação, o seu problema.



Isto só é possível se a lei da compaixão, que consiste em aceitar o outro e todos os seus aspectos, já tiver sido demonstrada por todos os aspectos do grupo. (...)


in www.lys-eter.blogspot.com por André Louro de Almeida 

20 novembro 2010

Co- Criação com Deus

" (...) O que significa co-criar com Deus?


Perguntas e Respostas
Co-criar com o Divino, com o plano evolutivo, fazendo a obra Dele e não a nossa, implica o despojamento de toda a vontade humana, pois quando agimos movidos pelo nosso ego e por aquilo que desejamos, nós não estamos a co-criar. Para que exista co-criação, tem que existir a entrega.
Co-criar é irradiar através dos nossos corpos impulsos que vêm de outros planos de consciência, mais elevados, sintonizando o nosso grupo interno e a Hierarquia que o rege. É dessa sintonização, que nós passaremos a realizar a obra que esse grupo e essa Hierarquia têm que implementar aqui. Isto é co-criar.
É através da entrega que a co-criação pode acontecer. As acções do ego não são acções criativas, não existe nelas o impulso da evolução e da energia Divina, e por isso não há criação, mesmo que se possa construir muitas coisas no plano material. Para que haja criação, é necessário que uma outra voltagem energética permeie os nossos corpos, que uma radiação de fogo possa passar através do nosso coração e imantar tudo aquilo que está em torno. Só então é que as nossas acções podem ser consideradas criativas e assim sendo co-criadoras com o plano evolutivo.
Só existe uma criação, e essa é a criação Divina. Co-criar implica, por isso mesmo, estar em sintonia absoluta com essa realidade superior. (...)" 

 in Sob o Signo da Pax de Pedro Elias

A Semente


Reconhecer a Divindade em tudo, até nas coisas que á partida podem não parecer Celestes...
Tentamos fervorosamente reconectarmo-nos á Fonte, á dança COSMOGÓNICA que já fomos parte atavicamente, onde 1 guiava toda uma massa que o seguia com crença e solenidade. Hoje percorremos caminhos inversos passamos da intelectualização á sensação, do saber ao  sentir, ao confiar nas capacidades intrínsecas á nossa existência.
Sintamos com todo o nosso Corpo Sábio, tudo o que há para sentir, todas as pequenas sensações quotidianas, todas as informações que consciente ou inconscientemente enviamos as células que latejam de vida pulsante em nós. Sem medo de descobrir, sem pressa de chegar, saboreando cada momento da aproximação ao Cosmos, á música envolvente da vida que está em nós, ao nosso redor .
Sejamos simplesmente plantas que São, não existe pensamento redutor, actos condicionantes, só temos que Ser, Existir, Ampliar a nossa Consciência e assim, captar a energia magnânime, sublime que é emanada pelo Universo.
Porque será que nos custa tanto Sermos sem mais? Porque temos esta necessidade tão premente de nos reconectarmos  quando nunca deveríamos ter saído do estado Divino em que nascemos?
Somos parte da criação primorosa, somos seres que participam e são Divindade na Terra, então temos que assumir os nossos papeis de homens de mulheres, acima de tudo de Seres e para isso basta Sermos Aqui, Agora.
Como no passado fomos Unos sejamos agora também.


Byodinamic aspects of Heanvens creating plants
video

17 novembro 2010

Espaço de Amor

Uma Palavra tão pequena, tão harmoniosa, que encerra em si uma emoção pura e Ancestral.
Amor, é disso que todos nós precisamos e esperamos dos outros, esquecendo que os primeiros a nutri-nos temos que ser Nós.
É isso que as nossas Criações, os Seres que nós damos á Luz do Mundo necessitam, Amor, mesmo antes de nascerem, muito antes de serem sequer concebidos, ou pensados.
É bom Criarmos conscientemente um Espaço de Amor onde projectamos os nossos melhores Sentimentos, Pensamentos e Atitudes, onde Somos, onde há Verdade, Compreensão e Pureza de Sentimentos. Um sítio que o nossa amplitude Amorosa é forte, Palpável e Real. Este é o sítio que Deus Pai/Mãe Criou para Nós no início em que nos encontravamos Ligados á Fonte Divina primal que nos Nutria, acarinhava e mostrava o caminho a seguir.
Hoje elevando a nossa Consciência podemos Co Criar em Sintonia Harmonica com a Fonte Lys/Fátima este espaço em nós, primeiro, e após isto projecta-lo no Mundo, no Universo para que todos possam ser banhados com o Amor que emanamos. Acedamos a transmutação Amorosa por via do AMOR  que exalamos em todas as células do nosso Corpo físico e etéreo, façamos deste o veículo da nossa missão terrena abraçando a Luz Cristica da Alvorada do Agora e do Amanha que está mesmo a chegar sem medo, sem pressa, com Disponibilidade.
Co criemos a nossa conexão Amorosa-Harmonica com o Universo espargindo o raio luminoso do  Amor a todos os Seres de todos os Universos.
"Limpemos" a nossa Casa com pétalas de Compreensão, raios de Amor, e água de Disponibilidade, Aqui e Agora.
Nós precisamos, os nossos filhos e todos os SERES precisam desta conjuntura do Coração, para o Coração.
Dê AMOR, Co Crie Amor Harmonico, Sintonico, Grande e Bom.

















09 novembro 2010

Para ler, Ouvir, Sentirrrr, o Pulsar  do Utero Terra-FeCuNdA, de Ser Mulher / Mãe.





Eu a Doula acompanho, Cuido e Nutro com Todo o Amor.

Aqui é o sítio do compromisso no Agora


Desde de tempos imemoriais que tanto homens como mulheres reúnem-se em círculos onde contactam á sua ancestralidade, a Ligação á Fonte Divina.

Com a evolução, os seres foram perdendo a ligação com a naturalidade, desvincularam-se da sua Divindade Criativa.

As Mulheres buscam de novo o reencontro com o Centro, redescobrirem a Deusa que habita dentro de cada uma de nós,  Mãe primordial.

O meu trabalho como Doula é, para além de toda a parte informativa acerca de temáticas relacionadas com o nascimento, ajudar os pais a conhecerem-se como Seres, saber ser Mulher em Plenitude, conhecer o Homem que acompanha, Ama e é Pilar.

 Trazer á consciência a concepção do novo Ser e o percurso até á Chegada, faze-lo de uma forma Verdadeira, Sábia, com muito Amor e  vivenciando em todas as células, energias, vibrações do nosso Corpo, o Templo Sagrado do Ser.

Ser Mulher, Ser Deus em si, Ser Uno com a Fonte.


O casal que não tem simplesmente um filho, mas que Dança a Plenitude da VIDA que se Apresenta no Agora do Ser nascido.

Sagrado Feminino

Uma cântico antigo ecoa pelas várzeas do Tempoooo, como um velho Shaman a entoar o chamamento á Vida, ao Agora, ao Presente.
O Sagrado Feminino é um entoar de todas as nossas Mães PRIMORDIAIS que não se cansaram de embalar, que nos passam ainda hoje os ensinamentos de Mulher para Mulher em Círculos Femininos que não cessam, nem cansam de brotar.
Acordar a Deusa dentro de cada uma de nós, prestar-lhe reverência, Conectar a Essência de Ser Feminina, Sintonizar a Energia Universal que Fecundou as Mulheres, Mulheres da Terra, Mulheres na Terra.
Prestemos Homenagem a Gaia, Terra que nos Pariu, Mãe que nos acolhe Gentilmente ensinando o Caminho para as Raízes, para o Útero que nos Tomou em Si e nos fez Ser.
Vibrar Unissonamente com  a Natureza, Ser Verdade Pura sem mais.
Fazer o papel de Mulher, Mãe, Companheira, Filha, Amiga e tantas outras...
Ser o elo entre o Céu e a Terra, o Ventre Fértil e Quente, Prenhe de Amor, o Pólo Complementar com o Masculino, a Outra Polaridade que espera para ser o Circulo perfeito.
Assumir este papel de Divino na Terra e transporta-lo pela Boca GRITANDO os Pulmões da Verdade Cósmica para aqueles que hão de vir.
Ser MULHER com todas as letras Maiúsculas no sítio.
SER A MULHER.








Luz Clara sobre a sexualidade Sagrada 1º parte


video





Luz Clara sobre a sexualidade Sagrada 2º parte



video





Yoni na Natureza 



video







Os Pais: A Mãe, O Pai


Antes de sermos Pais, temos que nos conhecer profundamente, Mergulhar em nós, Aceitarmo-nos Incondicionalmente para podermos Dar, Receber, Aprender E Crescer.

Somos simplesmente alunos no que diz respeito aos filhos, eles sim são os professores que vêem quando atendem ao nosso chamado para partilharmos um caminho, para passarem-nos ensinamentos que já nos havíamos esquecido no arquetipo.

Não é um caminho difícil, é unicamente uma caminho Longooooo, Emotivo e todas as vezes Transformador, temos apenas que dar o melhor que temos para oferecer no momento porque isso é o que faz de nos bons Pais, não o facto de podermos dar os melhores compensações materiais, mas sim as delicias de Tempo, Amor, Dedicação e Humilde que muitas vezes se pode traduzir num simples não sei...

Todos nós Seres por vezes fazemos escolhas que nos parecem ter falhado, Escolhemos e por vezes trocamos de opinião, mas de facto, no fundo o que somos é Responsáveis pelas nossas escolhas, 100% Criadores das nossas Realidades, então porque não Criar um Futuro maravilhoso para os nossos Bebés? Porque não beneficiar o Mundo com Sermos Melhores?

Amemos as nossas Crianças Interiores Incondicionalmente para as Curar, procuremos Dar de forma realmente Dadivosa e Harmonica com o que Somos. Criemos a Sintonia Perfeita do Ser Mãe / Mulher, do ser Pai/Homem, á parte disso todos nós temos duvidas e  receios.

Isto sim é o compromisso de Ser Plenamente Pai, Estar aqui no devir do Aqui, Agora, Disponível... Pronto... de Peito aberto, dando Asas para Voar, dando Colo para Voltar.

Ser Pai, Ser Mãe é Ser Universo de Amor, Fonte de Conhecimento. Dar Vida e estrutura, é Ser simplesmente sem deixar que as expectativas se sobreponham ao Novo Ser, Sem medo da critica, é AMOR/HUMILDADE.

Assuma Ser Pai, Assuma Ser Mãe Agora, desde Já.

Ser Pai, Ser Mãe não é difícil apenas trabalhoso.










Riprendiamoci il Parto Naturalle



video







Il Tempo Sacro de il Nuovo Nato 



video





Bounding 


video